Prefeitura de SP planeja concurso para novos auditores fiscais

A Secretaria da Fazenda de São Paulo trabalha internamente na autorização de um novo concurso público para auditor fiscal municipal classe I do órgão, cargo também conhecido como fiscal ISS/SP. O pedido chegou ao gabinete do secretário de finanças no dia 30 de julho e encontra-se sob análise. A realização da seleção depende atualmente da autorização do prefeito de São Paulo, Bruno Covas.

Ainda não há qualquer tipo de previsão para a divulgação do edital, mas a vontade da Secretaria Municipal da Fazenda é de agilizar o processo. Espera-se, inicialmente, a convocação imediata de 100 novos servidores. 

A carreira de Auditor Fiscal Municipal

A carreira no órgão municipal é uma excelente oportunidade para candidatos de nível superior. Os profissionais dessa área são, em suma, os responsáveis pelo controle da arrecadação dos tributos de natureza municipal, que sustentam muitos dos serviços públicos primordiais da cidade. A única exigência para os interessados no cargo de auditor fiscal municipal é ter diploma universitário em qualquer habilitação. 

O grande destaque fica por conta da remuneração: os fiscais ISS/SP podem chegar a até R$ 16.273,72 ao mês, por 44 horas semanais de trabalho. Dentro deste valor, estão inclusas a remuneração fixa inicial, de R$ 2.243,46, e duas arrecadações variáveis: recompensa pelo cumprimento de metas coletivas, que pode chegar à R$ 5.381,47, e a gratificação de produtividade fiscal individual, que por sua vez tem limite de até R$ 8.648,79.

A última prova do concurso

O último concurso de fiscal ISS/SP foi realizado no ano de 2014. Os interessados no concurso podem começar a se preparar pelo conteúdo cobrado nestas provas. Naquela oportunidade, a banca organizadora foi o Instituto Cetro e foram oferecidas no total 98 vagas, divididas em 80 para o setor de gestão tributária e 18 para a área de tecnologia da informação.

Ao todo, foram 4 provas. Três provas objetivas com 80 questões cada uma, totalizando 240. Além das provas objetivas, também foi aplicada uma prova discursiva, onde os candidatos tinham de responder a três questões sobre legislação e direito tributário e escrever uma redação sobre atualidades. As provas objetivas se configuraram da seguinte forma, para da um dos cargos:

Gestão Tributária – a primeira prova foi composta por língua portuguesa (30 questões), matemática, estatística  e raciocínio lógico (20) e direito tributário (30). Já a segunda, legislação tributária municipal (45), direito constitucional (10), direito administrativo (15) e direito privado e penal (10). Por fim, a terceira etapa contou com questões de administração pública (15), economia e finanças públicas (20), auditoria (10), informática básica (10), contabilidade geral (15) e contabilidade aplicada ao setor público (10)

Tecnologia da Informação – primeira prova composta por língua portuguesa (30 questões), matemática, estatística e raciocínio lógico (20) e direito tributário (30). A segunda prova, por sua vez, teve legislação tributária municipal (45), direito constitucional (10), direito administrativo (15) e direito privado e penal (10). Já a última, foi dividida em tecnologia da informação (60), administração pública (10), contabilidade geral (5) e contabilidade aplicada ao setor público (5). 
Publicado: 09 de August de 2018