Estudar ouvindo música durante a quarentena: ajuda ou atrapalha o concurseiro?

Veja o que a ciência e a pedagogia dizem sobre esta dúvida

Muitos concurseiros, assim como a grande massa da população está em casa, de quarentena, a fim de evitar o contágio com o novo Coronavírus e também para ele não infectar mais pessoas. Diante dessa situação de emergência, os concurseiros transformam o espaço particular de suas casas em sala de aula, para não perderem o pique na preparação para as provas dos concursos públicos. Não sei se é seu caso, mas tem gente que estuda ouvindo música, seja numa caixa de som, no rádio ou, na maioria das vezes, no fone de ouvido.

Alguns estudantes gostam de estudar com música indo direto nos tímpanos, pois ajuda a se isolar do ambiente externo. Mas será que isso não atrapalha na assimilação do conhecimento?

Recentemente, a Universidade de Caen, na França, fez uma pesquisa com alunos de 249 universidades dividindo-os em dois grupos. Ambos os grupos assistiram a uma palestra. Após isso, foram convocados para elaborar uma redação baseando-se no que foi dito na palestra. Só que apenas um grupo fez o exercício ao som de música instrumental. O resultado do teste indicou que justo esse grupo que ouviu a música, teve um desempenho melhor do que o outro que ouviu nada.

Um outro estudo, dessa vez na Inglaterra, financiada por um conhecido aplicativo de músicas,  concluiu que o estilo de música clássico pode auxiliar o estudante a ter o desempenho melhor nas provas, em média 12% melhor.

Não queremos dizer, com o exemplo dessas pesquisas, que a música clássica é melhor que os outros gêneros. Ela apenas se mostra mais eficaz na busca para manter a concentração durante a rotina puxada de estudos. Isso por que esse gênero apresenta melodia e escala tonal (de 60 a 70 batidas por minuto) que induz nossa mente a um estado de relaxamento, nos deixando mais calmo, mas também alerto, já que, segundo a pesquisa britânica, a música clássica ajuda a pessoa a estudar por mais tempo e reter o conhecimento com mais facilidade.

A música ajuda na manutenção do foco durante os estudos se for instrumental. Cientistas afirmam que a música com letra obriga o cérebro humano a ter que codificar aquela informação e, em alguns casos, pode atrapalhar na hora da leitura de textos mais complexos e quando tiveres que produzir uma redação, sendo que na sua mente, vão estar ecoando as palavras cantadas pela música. Por esse motivo, músicas instrumentais são mais benéficas. Mas se você não curte esse tipo de som, recomendo estudar com músicas de um idioma o qual você não domine, e que seja uma música mais suave. Para quem curte música instrumental, os mais recomendáveis para ouvir durante a maratona de estudos além da música clássica, são o jazz, trilhas sonoras de filmes e músicas de yoga.

Outros Benefícios da música

A psicopedagoga Alexandra Valle afirma que utiliza a música para o tratamento de pessoas com TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade) e para ela, a educação com música, principalmente a clássica, aumenta a atenção e o desempenho com a memória em pacientes nessas condições.

Mas como nada no mundo é unânime, os efeitos da música no cérebro de quem está estudando varia de pessoa para pessoa, sendo benéfica e motivadora para uns, ou pode atrapalhar outros. Seja como for, ouvindo um concerto de Chopin ou uma música mais popular, o importante é se manter focado no propósito para ouvir sons de trombetas quando conseguires  a aprovação e assumir o cargo dos seus sonhos.

E não custa lembrar que segue a promoção #Quemédegraunãopara lá na nossa página no Instagram. Coloque uma foto sua, estudando com o material da Degrau ou mesmo acompanhando as aulas ao vivo, no stories com essa hastag (e também a hastag #degraucultural) até o dia 30 de março, para concorrer a um curso online grátis.   

Publicado: 25 de March de 2020