Concurso BNDES: longo período sem contratações amplia déficit de pessoal

Desde 2012 que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social não realiza concurso público, ampliando carência no quadro de servidores.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) é uma importante empresa federal que promove financiamento a longo prazo para empresas e pessoas físicas de vários segmentos da economia brasileira, com o propósito gerar empregos, renda e de inclusão social. Pois bem, atualmente ela enfrenta o crescimento da carência de profissionais. Desde 2012, quando foi realizado o último concurso, o BNDES acumula déficit de 31 cargos vagos.

Até 30 de abril, de acordo com dados da própria empresa, registra-se 2.644 funcionários públicos, sendo que o limite de pessoal definido pelo Governo Federal, atualmente, é de 2.675 empregados. Até que um novo concurso seja aberto, a tendência é de que essa carência se amplie nos próximos anos em decorrência de futuras aposentadorias. Mas até agora, não há nenhuma previsão definida pelo BNDES para suprir as carências que existem e que virão a existir.

Em setembro do ano passado, o Estatuto Social do BNDES divulgou atualizações no Diário Oficial da União que, por sua vez, não promove alterações na quantidade de funcionários e mantém a regra de ingresso por meio de concurso público.

A instituição chegou a anunciar que realizaria um concurso público em 2015, com vagas para cargos de nível médio e superior. Porém, ele foi adiado em um ano e, por fim, acabou não acontecendo.  Ao assumir a presidência do BNDES em julho de 2019, Gustavo Montezano, apontou que uma das metas de sua gestão é aprimorar a prestação de serviços no banco que, nas palavras dele permitira “que o gestor público não perca tempo e foco pensando em como pagar as contas, mas sim em como melhorar a vida do pagador de impostos”.

Como foi o último concurso do BNDES

Há oito anos, a empresa abriu concurso com oportunidades a serem preenchidas por meio de cadastro de reserva para os seguintes níveis de escolaridade:

Nível Médio: Técnico Administrativo

Nível Superior: Profissional Básico nas especialidades de Administração, Análise de Sistemas (Desenvolvimento e Suporte), Arquitetura, Arquivologia, Biblioteconomia, Comunicação Social, Contabilidade, Direito, Economia, Engenharia e Psicologia.

O concurso teve a Fundação Cesgranrio como banca organizadora. A empresa preparou as etapas desse concurso que foram provas objetivas e discursivas, ambas de caráter eliminatório e classificatório.

A Prova Objetiva para o cargo de técnico administrativo foi composta por 25 questões de Língua Portuguesa, 25 de Matemática, 08 de Língua Estrangeira, 06 de Conhecimentos Específicos sobre o BNDES e 06 de Conhecimentos Gerais. Enquanto os candidatos a profissional básico tiveram de responder a 50 questões, divididas em: Língua Portuguesa (20 questões), Língua estrangeira (10 questões) e Conhecimentos Específicos (20 questões).

A etapa discursiva diferia entre os dois cargos. Se os concorrentes de nível médio tinham que elaborar uma redação e atingir até 40 pontos, os candidatos de nível superior precisavam responder a cinco questões de Conhecimentos Específicos, cuja pontuação máxima era 50.

De acordo com dados informados em setembro do ano passado, a remuneração inicial prevista para técnicos administrativos é de R$3.941,38. Já para profissionais básicos, em início de carreira, o valor é de R$12.370,96. Os servidores do BNDES ainda têm direito a receber benefícios como auxílio-transporte, adicional noturno, vale-refeição, salário-educação, auxílio-creche.   

Fale agora com um consultor!

Publicado: 10 de July de 2020